Circuito Grande - Torres del Paine


Advertisement
Chile's flag
South America » Chile » Magallanes » Torres del Paine
January 20th 2008
Published: January 20th 2008
Edit Blog Post

Hostelaria Las TorresHostelaria Las TorresHostelaria Las Torres

No primeiro dia da caminhada, no local que o ônibus deixa para começar a caminhada.
Neste post pretendo colocar algumas informações sobre a caminhada que fizemos no Parque Nacional Torres del Paine. Espero que possa ser útil. Se alguém algum dia ler isso e utilizar como fonte de informação para planejar sua viagem me avisa por favor (rodrigosprimo em gmail.com) que ficarei feliz :-)

Comentei por cima os equipamentos mais relevantes que utilizamos e também qual foi o trajeto escolhido. Muitas das opiniões refletem minha experiência de apenas nove dias no parque, aconselho buscar outras fontes de informação. A lista de equipos também não serve como checklist, falta um monte de coisas e tem um monte de checklists bons espalhados pela internet.

O Torres del Paine, localizado na Patagônia Chilena, é um dos principais e mais bonitos parques da América do Sul (e também o mais organizado e com a maior estrutura que já estive). Para minha infelicidade as trilhas são muito bem marcadas (as vezes até demais) o que tornou totalmente inútil o uso da carta topográfica e da bussóla, porém certamente essa é uma preocupação a menos para quem estiver fazendo suas primeiras trilhas. Uma pessoa tem que fazer uma esforço muito grande para se perder no W ou no Circuito (ou então dar o azar de pegar condições climáticas muito ruins, o que não é comum mas acontece). Para maiores informações sobre o parque veja http://es.wikipedia.org/wiki/Torres_del_Paine ou http://www.torresdelpaine.cl/

Optamos por fazer o "Circuito Grande" uma caminhada de 8 a 10 dias contornando as principais atrações da região. Desde o planejamento no Brasil esse era um dos momentos mais esperados da viagem. Nunca caminhamos antes com um mochilão com comida para tantos dias e também não sabíamos o que esperar do clima da região.

No final tudo deu certo, foram oito noites e nove dias de caminhada. A seguir descrevo os equipamentos utilizados e também o roteiro percorrido. Para o nosso planejamento utilizamos principalmente as informações deste site aqui http://www.i-needtoknow.com/paine/

Equipamentos:



Barraca: em alguns acampamentos do parque venta muito (como também em grande parte das trilhas), uma barraca com bons estabilizadores de vento e armação de duralumínio é uma boa idéia. No acampamento Pehoé vimos uma barraca com duas armações de plástico quebrarem por causa do vento. Utilizamos uma Discovery Mountain da Manaslu (a mesma que pretendemos usar no El Plata) e uma Zimba II da Kailash.

Sacos de dormir: em nenhuma noite fez menos do que
Paso John GardnerPaso John GardnerPaso John Gardner

No topo do Paso John Gardner com o Glaciar Grey ao fundo (muito vento!)
0ºC (provavelmente nem chegou a isso, mas não tínhamos termômetros para ter certeza), dormimos tranquilamente todas as noites em sacos de dormir para -0ºC da Trilhas e Rumos.

Isolante térmico: não saia de casa sem ele! Nas últimas noites do circuito sempre emprestávamos alguns casacos para duas chilenas que descobrimos estavam desde o começo da caminhada sem isolante.

Fogareiro: estávamos com dois fogareiros de benzina, um MSR Internationale e um Coleman Dual Fuel 533 (que por sinal parou de funcionar no meio da viagem com menos de um ano de uso). Muita gente estava com fogareiros comuns de cartucho de gás, muito mais baratos e davam conta do recado.

Mochilas: como optamos por carregar toda a comida para o circuito (o que não é necessário, nos acampamentos pagos é possível comprar comida para fazer ou então refeições prontas por um preço não muito mais caro que na cidade) utilizamos mochilas grandes (e ainda assim quase não deu para levar tudo): Harpia 75 + 15 da Conquista, Aircontact Pro 70 + 15 da Deuter, Highlander 50 + 10 da Curtlo e Challenger 85 da Kailash (que vive dando problema no ajusta da barrigueira). Dependendo do roteiro pode ser
Glaciar GreyGlaciar GreyGlaciar Grey

Xuxa e Rodrigo com o Glaciar Grey no fundo
uma boa idéia trazer uma mochila de ataque. Também é indispensável ter uma capa de chuva para a mochila que consiga cobrir ela com toda a carga e esteja bem presa, cansamos de ver capas de chuva de mochila voando com o vento ou então deixando parte da mochila descoberta.

Botas: estávamos todos com botas impermeáveis (duas Trilogia e uma Zodiac, ambas da Snake, e uma da Quechua que não lembro o nome). Foi a primeira vez que fiz uma trilha grande com uma bota impermeável e gostei muito da sensação de não sair com os pés molhados das muitas travessias de rios e de alguns poucos pântanos. O único momento que foi realmente importante ter esse tipo de bota foi nos pequenos trechos de camihada no gelo no Vale do Silêncio, que não faz parte do roteiro tradicional do circuito. Havia muita gente fazendo a travessia com botas ou tênis comuns sem maiores problemas.

Bastões de caminhada: outro que entra para a lista dos equipamentos úteis mas não fundamentais. Venta muito em vários lugares do parque (ao ponto de as vezes as pessoas cairem) e nessas situações ter um par de bastões ajuda bastante, além de aliviar o impacto nos joelhos por todo o caminho.

Roupas:



Impermeáveis: durante as caminhadas é frequente em poucos minutos um Sol forte dar lugar para uma chuva as vezes fina, as vezes forte. Utilizamos a calça impermeável da Conquista e os Anoraks da Trilhas e Rumos e da Conquista, além das polaínas da Conquista. Os materiais impermeáveis feitos no Brasil não são muito respiráveis, no final do dia sempre estavam bem molhados por dentro, mas funcionam muito bem. Nunca usei algo como Goretex para ter uma idéia se faz muita diferença, tudo que sei é que são MUITO mais caros.

Segunda pele: bom para dormir e também para caminhar nos dias mais frios. Utilizamos as fabricadas pela Solo.

Fleece: um fleece 100 para caminhar e outro 200 para as noites no acampamento foram suficientes.

Outros: um gorro e pelo menos dois pares de luvas (um par resisente a água ou impermeável) são fundamentais para enfrentar o frio. Meias de coolmax são boas para caminhar e pelo menos uma meia quente para a noite. Sem falar também de camisetas de dryfit (acabei utilizando mais as de manga comprida para me proteger do Sol) e de calças-bermudas de algum tecido que seque rápido (não sei o nome).

Roteiro:



Optamos por fazer o circuito no sentido anti-horário (a opção mais comum) por pegar o lado mais fácil para subir ao Paso John Gardner, iniciamos pela primeira perna do W.

1º dia: De Puerto Natales até o Parque Nacional Torres del Paine são 3 horas de viagem, a passagem custa US$20 ida e volta. Chegamos na portaria Laguna Amarga por volta das 11h e pagamos mais US$2 por um ônibus até a Hostelaria Las Torres. De lá iniciamos a caminhada para o acampamento Torres, um dos campings gratuitos mantidos pelos guarda-parques com banheiro e lugar para cozinhar (sem chuveiro). Monamos as barracas e atacamos o mirador das Torres del Paine.

2º dia: Decidimos ficar mais uma noite no mesmo acampamento para atacar o Vale do Silêncio, fora do caminho tradicional, foi nesse lugar que caminhamos pela primeira vez no gelo e vimos as Torres pelo outro. Com certeza recomendo essa adaptação no roteiro tradicional.

3º dia: Caminhada de cerca de 6 horas até o acampamento Serón. Acampamento pago (US$7, o preço é o mesmo em todos os lugares de camping pagos) com direito ao primeiro banho da viagem.

4º dia: Caminhada tranquila, em grande parte ao lado de um rio e sem muitas subidas, de cerca de 6 horas até o acampamento pago Dickson. Ao chegar fomos recebidos pela maior população de pernilongos por ser humano que já vi na vida (ver a foto para ter uma idéia). Repelentes eram praticamente inúteis, o esquema foi fazer uma barreira física com roupas (em especial as impermeáveis). Havia um casal com telas semelhantes as que usam os apicultores, eles eram os únicos que conseguiam ficar tranquilos fora da barraca. Para compensar esse é um dos lugares de campings mais bonitos, ao lado de um grande rio e com vista para um glaciar.

5º dia: Este foi o dia mais curto da viagem, apenas 4 horas de caminhada até o acampamento pago Los Perros. Para quem tiver pressa pode ser uma boa idéia fazer num único dia do Serón até o Los Perros.

6º dia: Esse é considerado o dia mais difícil da travessia por causa da longa subida e depois longa e incrime descida do Paso John Gardner. São cerca de 3 horas montanha acima para avistar pela primeira vez o maravilhoso Glaciar Grey. No final do dia chegamos ao acampamento gratuito Paso.

7º dia: Uma caminhada bonita ao lado do Glaciar Grey sem grandes dificuldades até o acampamento pago Pehoé.

8º dia: Nesse dia fizemos uma caminhada curta de 2 horas até o acampamento gratuito Italiano, armamos as barracas e atacamos a trilha pelo Vale Francês. No final há um mirador de onde pode ser ver um cinturão de quase 360º de montanhas das mais diferentes formas, tamanhos e cores.

9º dia: 6 horas de caminhada até a Hostelaria Las Torres de onde pegamos um ônibus para Laguna Amarga e de lá de volta para Puerto Natales.

Por Rodrigo.

Advertisement



22nd January 2008

Um dia irei também!!!!!!!
Fiquei super feliz ao saber que dá para caminhar sem o parque sem carregar a cozinha nas costas!!!!!!!

Tot: 0.073s; Tpl: 0.018s; cc: 8; qc: 22; dbt: 0.008s; 1; m:saturn w:www (104.131.125.221); sld: 2; ; mem: 1.2mb