[Dia 23 do Caminho de Santiago de Compostela] Mais uma colher na minha vida


Advertisement
Spain's flag
Europe » Spain » Galicia » Santiago de Compostela
June 24th 2016
Published: June 24th 2016
Edit Blog Post

Durante o dia fiquei andando e pensando em como pagar mais barato no barco. 19 euros era muito caro!!! Meu orçamento era só de 15 euros por dia (alimentação, acomodação, entre outros). Desisti de ficar pensando em palavras e frases para convencer alguém que eu nem sabia quem era. Chegando no albergue, paguei os 6 euros da minha cama (dormitório com 10 beliches) e logo o hospitaleiro (a pessoa que trabalha nos albergues de peregrinos, muitos são voluntários) perguntou se eu pegaria o barco no dia seguinte. Neste caso, pagaria naquela hora o total de 25 euros!!!!

- Moço, na verdade eu não sei ainda se vou pegar o barco. Estou pensando na outra alternativa.

- De andar 28km???

- Sim.

- O barco é mais legal! E o trajeto de barco é “A Origem de Todos os Caminhos” (diz a lenda que os restos mortais do apóstolo Santiago passou por este rio de barco)

- Eu sei .. na verdade é por isso que voltei para fazer esta variante do Caminho. Eu terminei o meu Caminho há 2 dias, mas algo me fez voltar para fazer este trecho. Sabe, desde ontem este caminho tem sido incrível. Ontem mesmo a hospitaleira do outro albergue me ajudou me levando ao supermercado. Eu tenho 15 euros por dia e na outra cidade não tinha opções de comer barato. Então Carmen me levou até o mercado. Ainda bem que sobrou comida, o que vai me salvar hoje também, pois se eu pegar o barco fico sem dinheiro e ainda fico “devendo” para os próximos dias do Caminho. Mas tudo bem.. eu consigo economizar.

- Você viaja com 15 euros por dia? Como alguém viaja só com isso?

- Não é pouco não! Até agora deu tudo certo!! ... Durante o Caminho muitas pessoas ajudam então não tem problema, o dinheiro é mais que o suficiente.

- Olha, estou fazendo o meu almoço, não sou um bom cozinheiro, mas quero que você coma comigo.

- Não. Não precisa não!!

- Eu sou só sou um voluntário aqui no albergue, se eu pudesse eu deixava você ir no barco sem pagar nada, mas isso não posso fazer. Agora você pode economizar no almoço. Ontem a Carmen te ajudou, hoje sou eu.

O olhar dele era de alegria quando me levou para a cozinha e me fez sentar. Não tinha como recusar. Sabia que ele fazia de coração. Eu sentia isso. Na hora que cheguei no albergue ele estava fazendo o almoço dele e eu “atrapalhei” (cheguei antes do horário de abertura do albergue). Mas gentilmente ele me atendeu e me acolheu.

Ele pôs mas um prato na mesa e serviu batatas com milanesa de carne. Abriu uma garrafa de vinho e fez uma salada de atum com abacate. Sentamos um do lado do outro e olhávamos o mar. Enquanto ele terminava a salada eu contei brevemente a minha história. Beeeem brevemente. Logo ele disse que sabia que eu era uma pessoa boa e que por isso ele queria fazer algo por mim. (??????). Assim Ele me contou a sua historia enquanto almoçávamos e olhávamos a maré subir.



Ele era hospitaleiro (voluntário) naquele albergue há uns 15 dias. Antes disso ele trabalhou durante 3 meses em um centro de cultura, mas ele achava o trabalho muito chato. Não tinha contato com as pessoas. Lá no albergue era legal, todos os dias as pessoas eram diferentes. E todos os dias ele escutava diferentes histórias. Histórias que o ajudavam a sonhar e a imaginar como é ser Livre. Depois de 13 anos na prisão ele conseguiu a liberdade condicional ao ter um trabalho. Após 13 anos ele conseguia ver novamente a maré subir Antes de ser preso Ele tinha um bom trabalho como servidor público. Tinha família também. Mas o dinheiro o corrompeu, assim como corrompe muitas pessoas. Naquele lugar o contrabando rola a solta. Todo mundo sabe disso. Muitos ali tinham o pezinho na ilegalidade. Ele não poderia ficar de fora. Um dia foi pego com algumas toneladas de droga. Sentença: 30 anos de prisão.



- A batata está deliciosa!! A carne também. E o vinho combinou!! Muito Obrigada!!

- A batata é minha especialidade!! A milanesa foi a primeira vez.. não ficou tão boa. E a salada? Gostou?

- Gostei sim!! Adoro abacate!!

- Coma, coma!!

- Estou comendo!!! Obrigada.

- Coma mais!! Vocês peregrinos andam muito!! Precisa comer.



Por causa da prisão ele não pode sair da região de Galicia. Na verdade ele vai e volta todos os dias do trabalho para a cadeia.



- Cresci vendo este mar. Aí mesmo, logo em frente eu via desde pequeno o contrabando acontecer. Era natural para nós. Começamos com coisas pequenas, e depois .... Tem sobremesa. Minha filha que comprou!

- Não precisa não. Já estou bem cheia. Obrigada.

- Você precisa comer! Toma!



Enquanto eu tomava o delicioso yogurt ficava pensando na família dele. O que foi para os filhos ficar longe do pai por 13 anos. Não falamos disso. Ele ainda contou que trabalhava muito na prisão em diversos atividades e inclusive já serviu comida para o prisioneiro #1 da Espanha.



- Um dia você poderá falar que quem já serviu o prisioneiro #1 da Espanha está te servindo também. Aliás, hoje não volto para a cadeia. Sextas e sábados eu posso dormir fora. Fico na minha irmã que é aqui do lado. Vou fazer o seu jantar. Modéstia parte faço um sanduíche muito bom!!

- rs. Obrigada ... mas não precisa não. Já está fazendo muito por mim oferecendo este almoço.

- Eu que fico feliz de poder ajudar uma pessoa como você. Você já fez tanto pelos outros. O que estou fazendo é mínimo.



Ele não sabe da minha história, contei em 10-15 minutos o motivo de eu estar no Caminho e que já tinha feito uma outra viagem há 4 anos .. mas não contei quase nada da outra viagem. Diz ele que sentia que eu ajudava muita gente. Louco, né?

Fui caminhar um pouco e pensar na vida. Pensei muito na história dele e como as pessoas podem ser boas e como é importante não julgá-las. Aproveitei e parei no bar “Faro da Luna” .. um café que fica do lado da orla. Ele disse que gosta de ir lá de vez em quando. Pede um café e fica na janela olhando a maré baixar e depois subir. Ele ama o Mar. Fui até este lugar onde comprei um café que não tomei. Escrevi um bilhete agradecendo o que fez por mim. Um dia ele tomaria aquele café e leria a minha mensagem olhando o mar que tanto ama.

Voltei para o albergue.. hora de tentar negociar com o capitão do barco o preço de eu entrar nele. 10 euros seria bom .. já que fui presenteado com o almoço e com o jantar. Chegando no albergue Ele me disse que falou com o capitão da minha história (que história meu santo!?!?! Não contei nada!!!).



- Liguei para o capitão e falei de você. Não sei se ele poderá te ajudar. Ele vai chegar logo mais.

- não se preocupe .. eu falo com o capitão. Se não der, Ok. Eu economizarei nos outros dias .. tudo dará certo! O Caminho me mostrou isso.



O capitão chegou no albergue e antes de eu falar muita coisa ele deu o ticket do barco nas minhas mãos e eu perguntei baixinho. “Quanto é?” E o capitão disse: “é Presente”. Bom, não era para contar para ninguém, mas não tem como eu não contar isso!! Espero que as pessoas que vão fazer este caminho não peçam tickets de graça para ele também. Rs. E olha que eu não pedi para ninguém me dar!! Eu só queria pagar um pouco menos. Só isso.

Como isso aconteceu?? Não sei explicar. Só sei que foi assim. Só sei que muitas vezes na minha vida foi assim ....



Mais tarde Ele estava costurando a jaqueta dele e eu estava tomando café quando os outros peregrinos chegaram com sacolas cheias de comida do mercado. Acho que fiz cara de “eu também quero” pois logo Ele disse bem baixinho:



- Sabe, depois que fui preso confiscaram tudo. Não tenho dinheiro. O pouco que tenho os meus filhos me dão para comprar comida. Tenho 5 euros aqui, podemos ir ao mercado para comprar algo para você.



OI ?!?!?!

Eu já era emotiva e o Caminho me deixou mais. Chorei diversas vezes de emoção, de alegria. Chorei de refletir sobre a vida e de tudo que estava passando comigo. Naquele momento queria chorar só de estar na frente daquele senhor, que tinha a idade do meu pai, fazendo tanto por mim. Honestamente, não senti que ele fazia com segundas intenções, ele queria apenas ajudar alguém.



- Não precisa. Agora que você já fez o almoço e não vou pagar o barco, sobrou dinheiro. Posso ir ao mercado. Não se preocupe.

- Mas você pode guardar o dinheiro. Pode ser que amanhã você não encontre alguém para te ajudar. Aaaaaa. E hoje eu faço o sanduíche de noite e amanhã venho de manhã cedo e faço o seu café-da -manhã. Faço uma mistura com cereais que é deliciosa!! Vai te dar energia para caminhar!



Assim Ele voltou a noite para fazer o meu sanduíche, mas antes fez massagem nos pés de todas as peregrinas. Começou com uma moça que estava com muitas bolhas e Ele as tratou (durante a prisão ficou muitos anos na enfermaria) depois Ele fez uma massagem que foi tão boa que ela contou para as outras peregrinas. Todas receberam massagem nos pés. Menos eu que não estava com dores e tenho cócegas. Rs. Era nítido que Ele era Hospitaleiro. Era nítido que Ele fazia isso sem segundas intenções. Era nítido que Ele queria fazer o Bem.



No dia seguinte Ele veio cedinho para fazer uma tigela de cereais. Gigante! Achei que não conseguiria terminar de comer.. haha. No final Ele disse:

- Quero que você leve algumas coisas para comer.

- Ok, mas não muito pois não consigo carregar (minha mochila pesava 7km).



Em uma sacola Ele colocou meio pão caseiro, 2 pacotes de bolacha, frutas.. e ainda queria colocar atum e mariscos enlatados!!



- Esta ótimo!! Não consigo carregar e tampouco consigo comer tudo isso. Rs

- Leva leva. Aproveite!! Você precisa aproveitar as oportunidades que a vida te dá.



Eu aproveito!! Eu aproveito e tenho gratidão por tudo isso!!



No fundo da sacola tinha um garfo e uma colher. A colher era diferente .. era uma colher de criança. Segurei a colher .. olhei para Ele .. e Ele olhou para mim.



- Quando fui preso minha neta tinha apenas 3 anos. Sabia que eu ficaria muitos anos na cadeia e não a veria crescer ... Durante 13 anos esta colher ficou comigo e agora ela é sua. Buen Camino.

...













Digo que o Camino é uma metáfora da vida. E esta história me fez refletir muitas coisas.



Durante a minha jornada de 25 dias caminhando vivi coisas incríveis. Diversas mini histórias que foram me fortalecendo, fazendo eu compreender um pouco mais o meu papel nesta vida. Sei que esta busca pelo auto-conhecimento não tem fim. Ainda mais por estarmos em constante mudança. O que eu queria ontem, posso não querer agora. O que eu quero hoje, posso não querer amanhã. E tudo bem. O importante é eu viver a Verdade que sinto agora. E assim estou vivendo.



Gratidão!





Obs: sobre o título, para quem não sabe .. tenho outra história de colher: https://www.travelblog.org/Asia/Armenia/West/Yerevan/blog-753331.html

Advertisement



26th June 2016

Angelina, Que bom ler este seu testemunho, fez-me reviver e trazer bonitas lembranças do Hospitaleiro em questão! Devido a uma avaria no barco, fiquei um dia extra retida no albergue e pude beneficiar, comprovar, usufruir, deliciar-me, maravilhar-me com cada característica apontada sobre ele. De facto, ele não faz nada com segundas intenções, além de tentar ajudar e confortar o peregrino. Até ao final do Caminho, tive sempre destes presentes e foi tão bom!! É com carinho e saudade que recordo um verdadeiro Hospitaleiro! Bem-haja pela partilha! Luisa (peregrina de Alpriate ;) )

Tot: 0.403s; Tpl: 0.021s; cc: 14; qc: 57; dbt: 0.0175s; 1; m:saturn w:www (104.131.125.221); sld: 1; ; mem: 1.4mb